Últimas Notícias

segunda-feira, 24 de fevereiro de 2020

Mega operação prende dezenas de pedófilos


‘Era querido’ diz delegado sobre professor preso por pedofilia em SP

Diretor de departamento de elite da Polícia Civil diz que pais de escola tradicional de SP se surpreenderam com gravações de vídeos de alunas

O diretor do Dope (Departamento de Operações Policiais Estratégicas) da Polícia Civil de São Paulo, Osvaldo Nico Gonçalves, revelou que pais de alunas do St. Nicholas School, um colégio tradicional localizado em Pinheiros, na zona oeste de São Paulo, se surpreenderam com a prisão em flagrante por suspeita de pedofilia de um professor de história, de 54 anos, durante a Operação Luz da Infância, deflagrada nesta terça-feira (18).

“Ninguém suspeitava dele. Era um cara querido. Foi uma surpresa para os pais”, complementou o delegado sobre o professor, que já era monitorado pelas autoridades policiais por suspeita de produzir e armazenar vídeos de meninas com idades entre 10 e 13 anos.

De acordo com as investigações, as gravações eram feitas durante aulas de teatro que o educador ministrava na escola onde trabalhava havia 20 anos e possuía dois filhos, gêmeos de 13 anos, como alunos.

Câmeras escondidas

Para esconder as câmeras com as quais captava imagens de partes íntimas das meninas, por debaixo das saias das estudantes, o professor colocava os equipamentos de gravação em embalagens de remédios.

“Ele utilizava as caixas de medicamentos com as câmeras dentro de forma dissimulada, as colocava debaixo das carteiras ou no chão, para que pegasse a genitália delas”, contou a delegada Ivalda Oliveira Aleixo, chefe da Divisão de Capturas, que participou da operação de prisão do suspeito.

A polícia solicitou ao TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo) a prisão preventiva do educador, que irá responder a um inquérito por armazenamento e produção de vídeos, crimes que podem gerar até oito anos de reclusão. No entanto, não ficou configurado o crime de assédio sexual. Também foi estipulada uma fiança de R$ 30 mil.

Os policiais acreditam que o professor realizava as gravações há cerca de três anos, mas foram encontrados arquivos datados de 2009 no computador apreendido durante a operação. “Ele colocava nomes nos vídeos: ‘as minhas favoritas'”, destacou a delegada.

“Ele é um predador. Tem que ser afastado do convívio social. Ele mesmo falou que está doente e pediu ajuda para se recuperar. Mas agora é tarde”, finalizou Osvaldo Nico Gonçalves, diretor do Dope.

Luz de Infância

A sexta edição da Operação Luz da Infância, uma ação de caráter nacional e coordenada pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública, mobilizou 201 homens e mulheres, além de 85 viaturas de três departamentos da Polícia Civil paulista: (Demacro (Departamento de Polícia Judiciária da Macro São Paulo), DHPP (Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa) e Dope.

No total, foram realizadas 17 detenções em flagrante (11 por armazenamento de material que contém pedofilia, quatro por compartilhamento, uma por porte ilegal de arma e outra por produção de vídeo pedófilo).

Da Redação do EA

(Por Cesar Sacheto, do R7)

Páginas